Medo de depor dificulta identificação de suspeitos de balear oito pessoas durante festa

07/07/2019 00h10

Medo de depor dificulta identificação de suspeitos de balear oito pessoas durante festa.
Imagem: Lucas Marreiros/G1Praça no bairro Dirceu, em Teresina, ficou manchada de sangue depois de tiroteio.(Imagem:Lucas Marreiros/G1)Praça no bairro Dirceu, em Teresina, ficou manchada de sangue depois de tiroteio.

A Polícia Civil identificou dois suspeitos de balear oito pessoas durante uma festa na praça cultural do bairro Dirceu Arcoverde, Zona Sudeste de Teresina. O evento aconteceu durante o carnaval, na madrugada do dia 6 de março. Quatro meses depois, o delegado Ricardo Moura, do 8º Distrito Policial, informou ao G1 que o medo das testemunhas em depor atrasa a conclusão do inquérito.

“Conseguimos identificar esses dois suspeitos, mas o que estamos tendo muita dificuldade é encontrar testemunhas que queiram depor contra eles, pelo fato de estarem com medo. As pessoas que ficaram feridas também estão receosas. São indivíduos muito perigosos, que fazem parte de gangue”,
explicou o delegado.

De acordo com o delegado, as testemunhas afirmam que não podem dar certeza quanto à identidade dos atiradores. “Dizem que não viram nada, que foi uma confusão, que não viram de onde veio o tiro. Enfim, não apontam categoricamente os dois suspeitos como sendo os que efetuaram os disparos”, afirmou.

Segundo o delegado, mesmo com as imagens de câmeras de segurança e vídeos que circularam nas redes socais não é possível comprovar a autoria. “Para eu poder pedir a prisão deles tenho que ter uma testemunha. Pelas gravações não dá para identificar nitidamente os suspeitos. Mas vamos continuar investigando e tentando solucionar”, disse Ricardo Moura.

Relembre o caso

Oito pessoas ficaram feridas durante um tiroteio que ocorreu em uma festa de carnaval na madrugada do dia 6 de março na praça cultural do bairro Dirceu Arcoverde, Zona Sudeste de Teresina. De acordo com a Polícia Militar (PM), o crime aconteceu por volta das 1h47 da manhã.

Sete pacientes foram atendidos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Renascença, vítimas de disparos de arma de fogo. Uma vítima foi encaminhada para o Hospital de Urgência de Teresina (HUT). Posteriormente, dois pacientes foram transferidos da UPA para o HUT.

As vítimas atendidas no HUT foram as que estavam em estado mais grave. Wesley Marques de Sousa, 26 anos, atingido por um tiro no rosto; Felipe da Silva Moraes, 24 anos, baleado no braço e na perna; e Stefani Brito Pereira, 15 anos, foi atingida por um disparo de arma de fogo no abdômen.

Imagem: Lucas Marreiros/G1Praça no bairro Dirceu, em Teresina, ficou manchada de sangue depois de tiroteio.(Imagem:Lucas Marreiros/G1)Praça no bairro Dirceu, em Teresina, ficou manchada de sangue depois de tiroteio.

A Polícia Civil identificou dois suspeitos de balear oito pessoas durante uma festa na praça cultural do bairro Dirceu Arcoverde, Zona Sudeste de Teresina. O evento aconteceu durante o carnaval, na madrugada do dia 6 de março. Quatro meses depois, o delegado Ricardo Moura, do 8º Distrito Policial, informou ao G1 que o medo das testemunhas em depor atrasa a conclusão do inquérito.

“Conseguimos identificar esses dois suspeitos, mas o que estamos tendo muita dificuldade é encontrar testemunhas que queiram depor contra eles, pelo fato de estarem com medo. As pessoas que ficaram feridas também estão receosas. São indivíduos muito perigosos, que fazem parte de gangue”,
explicou o delegado.

De acordo com o delegado, as testemunhas afirmam que não podem dar certeza quanto à identidade dos atiradores. “Dizem que não viram nada, que foi uma confusão, que não viram de onde veio o tiro. Enfim, não apontam categoricamente os dois suspeitos como sendo os que efetuaram os disparos”, afirmou.

Segundo o delegado, mesmo com as imagens de câmeras de segurança e vídeos que circularam nas redes socais não é possível comprovar a autoria. “Para eu poder pedir a prisão deles tenho que ter uma testemunha. Pelas gravações não dá para identificar nitidamente os suspeitos. Mas vamos continuar investigando e tentando solucionar”, disse Ricardo Moura.

Relembre o caso

Oito pessoas ficaram feridas durante um tiroteio que ocorreu em uma festa de carnaval na madrugada do dia 6 de março na praça cultural do bairro Dirceu Arcoverde, Zona Sudeste de Teresina. De acordo com a Polícia Militar (PM), o crime aconteceu por volta das 1h47 da manhã.

Sete pacientes foram atendidos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Renascença, vítimas de disparos de arma de fogo. Uma vítima foi encaminhada para o Hospital de Urgência de Teresina (HUT). Posteriormente, dois pacientes foram transferidos da UPA para o HUT.

As vítimas atendidas no HUT foram as que estavam em estado mais grave. Wesley Marques de Sousa, 26 anos, atingido por um tiro no rosto; Felipe da Silva Moraes, 24 anos, baleado no braço e na perna; e Stefani Brito Pereira, 15 anos, foi atingida por um disparo de arma de fogo no abdômen.


Fonte G1 PI

Veja mais notícias sobre Teresina, clique em florianonews.com/teresina